Vazio no peito era o que eu descrevia para a minha psicóloga ao falar sobre o meu sentimento  em relação a minha profissão e ao meu trabalho há dez anos atrás.

Apesar de gostar muito do que fazia, havia uma inquietação do meu ser e muitos questionamentos povoavam a minha cabeça: “Será que é isso mesmo que eu nasci para fazer? Será que eu sei apenas fazer isso? É isso realmente o que quero para a minha vida?”

E de “serás” vivi por um bom tempo,  até que resolvi me conhecer profundamente e escolhi a terapia para me ajudar. Durante o processo terapêutico, consegui responder aos serás que me assombravam e com muito trabalho interno, descobri que o que sanaria e resolveria aquele sentimento de vazio no peito seria um trabalho/profissão que pudesse, de alguma forma, ajudar pessoas e principalmente mudar a realidade de alguém.

Com essa descoberta, meio caminho foi andado pois percebi que o que realmente faria e faz sentido para mim, seria trabalhar por um propósito maior, ou seja, fazer a diferença no mundo pessoal de cada um que me procura.

Com essa “meia” luz acesa diante de mim, busquei atividades que de fato poderiam ajudar a alcançar o meu propósito. Fui estudar e cogitei até em ser médica, porém, o Universo me trouxe algo que me encantou: a faculdade de bioterapia, na qual me deixaria apta para trabalhar com terapias alternativas.

Um planejamento pessoal foi traçado: utilizaria a profissão que exercia para bancar a minha preparação, para o que eu chamava de “plano B de vida”.

Quando me senti pronta para fazer o movimento da grande mudança, pedi demissão e aí veio a surpresa. O salário oferecido para que eu ficasse balançou minha convicção e já não sabia mais o que fazer. Pedi alguns dias para pensar e novamente recorri ao Universo para que me ajudasse a encontrar uma resposta e ele respondeu através de um sonho pra lá de simbólico no qual eu me via trancada e infeliz em uma gaiola de ouro. Bastou isso para retomar a minha certeza, seguir com o que meu coração pedia e com muito medo o Espaço do Bem-Estar foi aberto e hoje é o meu plano A.

Há oito anos o buraco e o vazio no peito foram substituídos por um sentimento de plenitude. O pensamento diário que permeia minha mente, a cada cliente que atendo e que sai do Espaço melhor do que entrou é, “Essa é minha missão, esse é meu propósito”.

E como bem diz George Bernard Shaw: “Essa é a verdadeira alegria na vida, ser útil a um objetivo que você reconhece como grande.”

Minha razão de ser:

Em primeiro lugar, vim para ser a melhor versão de mim mesma, pois ninguém pode levar o outro onde ainda não esteve.

Para daí então, ser um instrumento, um canal, para que as pessoas que até mim chegarem se interiorizem, resgatem sua essência, planejem suas vidas, vivam em coerência com seus valores em suas melhores versões. Em resumo: vim para fazer diferença positiva na vida das pessoas e em minha própria vida.

 

Sobre meu currículo, clique aqui:

Você sabe o que é Coaching?